Home » Literatura » As aventuras de Wonder Woman na Super Hero High [Resenha]

As aventuras de Wonder Woman na Super Hero High [Resenha]

por Artemys Ichihara
15 de fevereiro de 2017

Primeiro dia de aula em uma escola nova, em uma cidade nova e sem nenhum dos parentes por perto. Parece familiar? Pois é o que Wonder Woman (falarei sobre isso mais à frente) vai ter de enfrentar em As Aventuras de Wonder Woman na Super Hero High, livro que faz parte da franqua DC Super Hero Girls e escrito pela norte-americana Lisa Yee.

Seguindo a premissa da série animada de mesmo nome, a história gira em torno da chegada de Wonder Woman à Super Hero High, uma escola prestigiosa fundada para guiar super-heróis adolescentes, contando com as mesmas personagens da série. Nela, vemos as aventuras de Wonder Woman em se adaptar à realidade fora de Themyscira, lidar com sua colega de quarto youtuber Harley Queen, e tentar sobreviver ao Ensino Médio, enquanto um grande mistério ronda o colégio.

A leitura é leve e vai de encontro com o público-alvo da franquia (que não, não são adultas vendidas para a DC Comics), ou seja, meninas que estão em transição entre a pré-adolescência e o início de sua juventude, trazendo temas com os quais se identificam, linguagem adequada e humor e drama na medida certa. Vale lembrar que, ao que tudo indica, o livro é o primeiro de uma série, então com certeza novas aventuras virão.

Entretanto, como nem tudo são flores, a decisão pela não-tradução de diversos nomes de personagens cujas alcunhas são canônicas em português há décadas (como o próprio nome da Mulher Maravilha, mantido em seu original em inglês) pode causar estranhamento a quem acompanha à DC por outras mídias (como os quadrinhos, por exemplo). Por diversas vezes durante a leitura eu não reconhecia personagem X ou Y pelo nome não ser traduzido. Entretanto, nos demais aspectos, a tradução se mantém boa e bem-adaptada em seus termos e afins.

Não exatamente um clássico da literatura, As Aventuras de Wonder Woman na Super Hero High é certamente um título a se recomendar a pessoas mais jovens, bem como um tiro certeiro nesta nova modalidade (não tão nova assim…) de romance: a adaptação de quadrinhos para a prosa. Caso tenha alguém entre 11 e 15 anos, este livro é uma ótima recomendação de leitura.


Leia também: